domingo, 30 de novembro de 2014

Palhaços, com muita hora.




PALHAÇOS

Pura estratégia para ser
sem que percebam que estamos sendo  
algo além de marionetes .

O sistema movimenta os fios, 
e o palhaço brinca de transgredir seus movimentos.
O sistema  ri, e a gente finge que está achando graça,
(e estamos mesmo morrendo de rir da palhaçada toda) .

Assim somos, crianças e mais nada,
a fonte do amor bebemos 
e irrigamos a vida inteira
com a mesma água abençoada.

Bravo! Bravo! Bravo!
Não envelhecemos nunca!
Ponto para a alma!
Ponto para a sua perspicácia!

Nós! Palhaços! 
Escrevemos belos poemas
com a falácia do sistema.



*Carmen Regina

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Lá vem ela, a nova mulher! *






Lá vem ela
a nova mulher!

Vem de dentro,
por entre brumas delicadamente  caminha.

Lá vem ela 
liberta e colorida
sentindo na pele a própria singularidade,
a dimensão inefável de seu ser.


Mulher!
Alma pulsante em corpo vivo,
beleza pura.
Amor jorrando incessante

da inesgotável fonte da ternura.


Lá vem ela! 
Todo santo dia, ela, 
uma nova mulher!


*Carmen Regina

Imagem blog Bhudism



sábado, 8 de novembro de 2014

NOITE*




Oculto dentro do silêncio
o zumbido
ultrapassa a zona dos sentidos.
As flores exalam enlouquecidas
despejando aromas em profusão.
Os Jasmineiros estão silenciosos.
os Beija-flores, adormecidos.

Lírios e Floripôndios venceram a batalha
dos aromas e servem, agora, poesia em taças
transbordantes do perfume inefável
com que cobrem o leito da noite,
inebriam a madrugada
e me embriagam.
Eu sonho.
Sonho¿


Carmen Regina*

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

*AMANHECER





"Aqui é sempre assim:
madrugadas rendeiras tecem o amanhecer
e a exuberância dos jardins.

Por ora, nada a fazer, espera pra ver
como é lindo o alvorecer.

Os gnomos brincam, as fadinhas dançam
com os raios de luz nas tangências das gotas de orvalho,
nanoniágaras preciosas,
beijos serenos nas folhas úmidas das manhãs.

Pouco a pouco chegam seus amores,
borboletas, bem-te-vis, sabiás, beija-flores...
Vêm no rastro do arrebol.

Não abra os olhos ainda, respira...
Sinta o aroma de fadas embalando a madrugada
que adormece ao pé do Sol.

Carmen Regina*







terça-feira, 4 de novembro de 2014

É DOCE MORRER

É doce morrer nesse mar
em noite de estrelas cheia,
teu hálito perfumando o céu,
boca, dentes, saliva, doce mel.
Jóias preciosas
acariciam teus poros
acalmam a alma valente
morta de frio, de medo, de sono,
de viver.





Borboletas celebram a noite celestial
xiitas kamikazes em sua nobre causa
vêm teu meigo arakiri e não estão nem aí.
Adeus!
Antes mesmo da hora zero celebremos o
transcendental
e renasçamos úmidos e doces
para o amor imortal.

Vem tingir minha realidade
com o tom da tua voz rubi,
com a luz dos teus olhos
descontrua meu coração,
trancado a 7 chaves
e lançado em teu a mar.
Coração-diamante, meu bem meu mal,
tornado, tempestade, vendaval
nas areias deste deserto de vida
oriente oásis miragem,
da terra do nada, paisagem.

Obrigada Mãe
pela felicidade legítima de ser o não-ter,
viver e morrer infinitamente
sem dor sem sofrer
puro êxtase
puro prazer."

*Carmen Regina
2004

Imagem Cristian Schloe 
Cultura Inquieta