sábado, 15 de outubro de 2016

luar



Entre estrelas e nuvens,
alheia aos desvarios humanos,
segue a Lua o seu traçado no céu.
Solitária e muda, lança o seu manto dourado,
fogo em forma de luar,
por sobre as águas do a mar.


Há um abismo entre vida e sonho.
E um único fio, tenro e delicado,
por sobre o vazio colocado
para o equilibrista passar.
Ah, essa Lua palpitante, esse luar instigante,
esse súbito desejo de atravessar.  


Uma lança atravessa o espaço
e rasga o peito da noite à  beira do a mar.
Nenhum grito, nenhum gemido.
Os desejos que trago comigo
se dissolvem no açoite
dos raios de luar.


*Carmen Regina Dias

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Uma flor




*Uma flor
Chove lá fora ...
Passarinhos estão silenciosos, só Sabiá se atreve a cantar.
Nenhuma abelha, nenhum zumbido no ar, mas...

Uma flor chora num canto do jardim.
Seu lamento passa despercebido.
Chuva e lágrimas se confundem, a mesma umidade,
o mesmo frio doendo por dentro ...

Uma flor chora sua dor para si mesma.
E elas aumentam a cada soluço seu.
Ninguém a vê chorar, sequer um tufo de mato a percebe.

Uma flor chora silenciosamente num canto do jardim.
Melancolia? Solidão?
Flor tão bela, tão viçosa...
Bela e rubra. Viçosa e macia. Sente dor, quem diria! ...

Uma flor chora copiosamente. O que lhe vai no coração?
A chuva acabou, beija flor despertou ...Voa até ela,
demonstrar sua admiração, seu carinho,
aspirar seu perfume ...
Dançar ao seu redor freneticamente.

Uma flor sorri de canto de olho...

Carmen Regina*
12/10/2016
Imagem: Cultura Inquieta Christian Scloé
Para a amiga Vera, com carinho, Feliz Aniversário 

segunda-feira, 11 de julho de 2016

O POÇO



O POÇO

A vós, que me cingistes com a insígnia de poeta,
digo com clara e nítida voz:
- Sou um poço.

Poetas sois vós, que cavais ao meu redor.
De mim, apenas a promessa do veio cristalino.
Que ainda jorra manso, goteja, a bem dizer.

Poetas sois vós,
espíritos cavadores de profundezas,
amigos da alma, joalheiros do céu.

De mim, a promessa do poço,
tratado, limpo e cuidado,
onde se poderá saciar a sede de futuras gerações.

A vós, que cavais com tal bondade esta cisterna
e revestis com o vosso mel minhas paredes internas,
dedico os poemas da posteridade. 

Carmen Regina*


quinta-feira, 7 de julho de 2016

AMADO MESTRE




Amado Mestre

Abre-se este dia ao sabor da Tua Poesia.
Afasto as cortinas o tempo e contemplo
a nudez dos Teus versos.
Alongo os braços e toco 
as vestes  deste poema tão Vosso.


Todavia, apenas relo, apenas o apalpo
como pássaro tocando nuvem,
colibri beijando aura de flor.

Abro este dia com Vossas ternas palavras.
Filha do fogo, do éter e da ternura transbordo,
águas salgadas cercando a ilha de mel
onde nasce o riacho mínimo que sou.

Sintam-se Vossos pés beijados

pelo poema criança, 
que se levanta no jardim da infância 
para ouvir o e terno som da Tua flauta
sob as macieiras do Éden.

Carmen Regina*




sexta-feira, 1 de julho de 2016

POEMA FORTE



Um poema forte,
preciso,
como o vento 
que açoita as magnólias,
e levanta a minha alma
para ver 
a lança 
que atravessa a noite,
rasga o peito do poeta, 
tornando-o 
uma caixa de jóias 
de onde a Poesia retira
delicadamente 
um verso de esperança 
para o amigo da alma.


*Carmen Regina


quarta-feira, 22 de junho de 2016

Como as árvores



Somos como as árvores, 
Juntamos folhas e flores nas ramas.
Um belo dia o outono vem
e seca-nos, indiferente.
Folhas e flores e frutos caem.
Vão ao chão nossas fátuas chamas. 
Entretanto, ficam as sementes.


Ó Terra das delícias
a ser cultivada com amor
e adubada com carícias...
Mas, ah, vive-se distraído,
o sono que não se sabe nos separa,
o medo colado às células nos fragiliza,
Ficamos vulneráveis.


E o presente nos é roubado.
Esquecidos da nós deixamos escapar
a  joia preciosa do instante,
aquela da coroa do rei...

As cigarras gritam na noite escura:
- Despertai poetas, despertai, despertai...

No inverno despertarei...?

Carmen Regina*

Quem sou?


Na plenitude do meu olho que vê
assentam-se a calma e a serenidade.
Contemplo-me...
Quem sou?

Paro e penso-me...

“ - Sou o que em versos me busca,
E nas estrofes me desvela.
Sou o que me procura
no poema que me inventa...”

Sinto-me.

Sou eu buscando-me em cada verso,
sou eu mesma desvelando-me em estrofes,
é a mim que vivo procurando

e em cada poesia, tua, minha, me encontrando.

Carmen Regina*

(imagem do Google)



sábado, 7 de maio de 2016

O que me é Ser de Esquerda ...




Nosso coração ocupa todo o lado esquerdo do peito.
Quando falamos, naturalmente é assim: 
-Eu e o meu país...
-O nosso povo, a nossa gente  ...

Na votação do Golpe notei  deputados que abriam 
seus discursos tipo assim:
 -Eu e minha família -Minha filha -minha avó -minha égua pocotó...

Esquerda  ativada, pensamos fraterno, incluímos
todo mundo, valorizamos cada grão de areia 
à beira dos nossos mares, 
adoramos saber notícias boas sobre o Brasil 
e sobre nossos governantes,
os programas sociais, obras sendo inauguradas e entregues,
a água chegando ao sertão, aquela belezura que é a Transposição,  
pobres, pretos e índios gozando sua cidadania, frequentando
as universidades,  
isto  nos emociona,

A energia que disso tudo emana é compartilhada em todo o planeta,
uma vez que, guiados pelo coração, os iguais se atraem e se fortalecem.

O Mestre dos Mestres e o Papa Chico são de esquerda, Leonardo Boff, Dom Helder Câmara, Mandela, Neruda, Ghandi, Lula, Mujica, Chico Buarque, Karl Marx, Maiakovski, a UNE, a CUT, 
Fidel, o MTST, os professores,  ...   e por aí vai o rol infinito 
do que me toca o coração.

To nessa vibe e me sinto bem, mesmo quando choro diante das InJustiças 
eu nunca me sinto só.
O longo caminho percorreremos juntos mas,
neste instante, 
pára tudo, quero abraçar o mundo.





domingo, 24 de abril de 2016

O anel não será de vidro...

imagem: pensoloonge.blogspot.com

PEDI O FIM DAS CHUVAS*

Pedi o fim das chuvas,
E já me chegas com o Sol.
Ah, como me toca o teu exagero!
Traz também um arco-íris
De ouro e jade,
Traz-me potinhos do teu bom.
Faz chover, amor...
O vale sonha com inundação. 
Faz, e vem.
E então, calmamente, 
Nos sentaremos à mesa de Platão
E Eros nos dará a maçã e o anel.
Depois, bem depois, quando o musgo
estiver verdinho, as bromélias florescendo,
tu me trarás o segundo sol.
E a terra será o céu.

*Carmen Dias




Calmamente, nos sentaremos à mesa de Platão e Eros nos dará a maçã.
E o anel que ele colocará em nossos dedos não será de vidro... e não se desmanchará como um castelo à beira do a
mar.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

PALHAÇOS*






















PALHAÇOS*
O sistema movimenta os fios. 
O palhaço brinca de transgredir-lhe os movimentos.
O sistema ri, e a gente faz de conta que acha graça.


E assim somos,
sem que percebam que estamos sendo algo
além de marionetes, 
felizes, e mais nada,
crianças, bebendo da fonte do amor,
e irrigando a vida inteira 
com a mesma água abençoada.


Bravo! Bravo! Bravo!
O Palhaço jamais envelhece!
Ponto para a alma! 
Ponto para a sua perspicácia!


Palhaços! 
Ah, o orgulho que sinto em mim!
Nós, Palhaços amigos,
descobridores da Terra do Sem fim,
escrevemos belos poemas 
com a falácia do sistema.



*Carmen Regina
fotos da pg de Leonides Tico Quadra