terça-feira, 16 de dezembro de 2008

como as crianças

E assim,
dia após dia ...
nascia e renascia
Poesia.

Pincéis iam e vinham
das mãos dos anjos
para as mãos dos deuses,
poesia erótica nascia.

A exaltação dos desejos crescia.
E o que era o céu tornou-se,
por obra divina,
império dos sentidos,

Vento semeando versos,
ora doces,
ora doloridos...

A inocência só observava.
Do mesmo jeito que as crianças espiam.

blue...

Vim te trazer o céu.
Aquele que ninguém vê,
porque escondem .

Vou guardar essa tarde
que me arrancou suspiros,
esse azul de hortênsias,
céu de nuvens de albumina em neve,
pintado.

E vou colar no cenário
toda vez que me lembrar de ti
a saudade...

carmen

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Um simples olhar...

imagem by site olhares aeiou

Dois pássaros saltam da janela
e mergulham no espaço infinito
entre os teus olhos e os meus.

E o que vejo?...
Nada, além do olhar, além do silêncio.
[O que eu não daria por um beijo...]

Mais de duzentas luas
traçaram compasso no céu,
mais de mil sóis subiram
e desceram o firmamento,

quatro primaveras irão completar,
e eu ainda não mergulhei
no abismo do teu olhar, nem decifrei
o meu próprio sentimento...

carmen

perfumosa e branquita



Branquita

Encosto meu olhar na floripôndio.
Ainda é branca,
ainda não murchou.
Acaso duram mais que uma noite?

Que bela flor! Alva e perfumada!...
Juntas, em noite de lua crescente
lembram garças ao entardecer.
Ao amanhecer estão pálidas de orvalho.

Cornetas de anjo!
Entoam acordes inefáveis, embriagam.
Mas, como as damas da noite,
vivem menos tempo que as borboletas.

Acaso já viste uma floripôndio chorando,
lamentando, Ó, dor? E olha que com toda
a sua maciez e esplendor nenhuma delas
sentiu o toque sutil do bico de um beija flor!

Eu, todavia, ouso imaginar
sua paixão pelo luar.
Uma única noite em seus braços
e valeu, a vida inteira.

carmen

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

bom ...bom...



Nada como ter passado
uns bons milênios
sobrevoando as pirâmides
pisando as areias
ao redor dos mistérios,
velando o sono das múmias...
Agora é fácil desembrulhar
o bombom dos enigmas...


carmen

imagem by andrew annenberg

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

OM























Foco na gota de orvalho
sobre a pétala.
Portas se abrem à visitação.
Um grito jaz
preso na garganta da poesia.

Dos tesouros da humanidade,
apenas a fulgência,
o clarão,
o vislumbre da eternidade.


Zzzzzzzzzzzzz..

São precisos 1 herói, 12 titãs
e a mão dos deuses
para reunir o rebanho.
E apenas uma abelha para dispersá-lo.

carmen
Aonde?...

O frio da madrugada acordou
o abismo das interrogações.

Tigres famintos, dragões alucinados
escancaram suas bocas vorazes,
uivam lobos na escuridão...

Que dirá meu coração,
conhecimento sobrando,
convicções definhando...

Nas pupilas há penumbra.
Bom será voar além dos escombros do medo,
acordar e ver o mar.

Ah! a sina do rio!
dissolver-se
aos pés do mar,
sem dor, sem hesitar,


as ondinas aplaudindo,
navios ao longe roncando...
Tudo o mais, brisa e maresia,
as areias deslizando,
gaivotas, céu azul...

E o poeta sentindo o gosto do mel
na ponta da pena,

poesia querendo namorar.

Onde isso irá desaguar?

carmen

Na ponta da língua




Assim,
meio sentada
meio deitada,
...
in com seqüência...

Queria abrir a janela mas,
essa indolência gostosa,
essa malemolência...

Lá fora a lua está tão bela,
triângulo amoroso dos deuses,
idílio entre as estrelas...
Ah, não posso ir para a cama sem ela...

Mais um momento de fuga, de lassidão,
que calor!
Na verdade nem sinto,

Se disser que me incomoda,
minto,

Daqui a pouco durmo e vou,
para mundos que nem sei...
E quando acordar,
sonhei...


E ela vai estar na ponta da língua,
docinha,
Mil rimas no colar.

carmen

no centro do âmago de tudo, a poeira estelar...

Alinhar ao centro


No meio de tudo



Eis que, agora,
quero falar-vos de coisas novas.
O que é uma coisa nova?

Não diferencio coisa de gente,
nem de flores, nem de mar,
areias, passarinhos...

A diferença é apenas aparente.
No âmago dos átomos,
no centro do movimento das partículas
há o gérmen da vida,
poeira estelar, centelha divina,
a semente,
o novo
o qual, sinto muito mas,
 ainda não sei falar...



carmen
Imagem by site olhares aeiou