quarta-feira, 22 de junho de 2016

Como as árvores



Somos como as árvores, 
Juntamos folhas e flores nas ramas.
Um belo dia o outono vem
e seca-nos, indiferente.
Folhas e flores e frutos caem.
Vão ao chão nossas fátuas chamas. 
Entretanto, ficam as sementes.


Ó Terra das delícias
a ser cultivada com amor
e adubada com carícias...
Mas, ah, vive-se distraído,
o sono que não se sabe nos separa,
o medo colado às células nos fragiliza,
Ficamos vulneráveis.


E o presente nos é roubado.
Esquecidos da nós deixamos escapar
a  joia preciosa do instante,
aquela da coroa do rei...

As cigarras gritam na noite escura:
- Despertai poetas, despertai, despertai...

No inverno despertarei...?

Carmen Regina*

Quem sou?


Na plenitude do meu olho que vê
assentam-se a calma e a serenidade.
Contemplo-me...
Quem sou?

Paro e penso-me...

“ - Sou o que em versos me busca,
E nas estrofes me desvela.
Sou o que me procura
no poema que me inventa...”

Sinto-me.

Sou eu buscando-me em cada verso,
sou eu mesma desvelando-me em estrofes,
é a mim que vivo procurando

e em cada poesia, tua, minha, me encontrando.

Carmen Regina*

(imagem do Google)