sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Manoel da Rosalinda, poema à contemplação do rio


O rio espalha-se até à eternidade onde desagua,
rompendo o caminho, esculpindo o leito,
arrastando sedimentos de memórias desde a nascente
como alimento, e vida,
e de verde (re)veste a paisagem
e de azul é espelho do céu,
e rio de contentamento
cada vez que o colho à mão
e me refresco
numa quente tarde de verão.

Sinto a foz,
cheira-me a Outono,
mas contemplo-o
com olhos de início
acreditando na corrente
de sua configuração,
para afogar as palavras
de todos os silêncios.

joão m. jacinto

imagem por Gilad - site Deviantart

de noites e dias, momentos...


O RIO RI, AS FLORES ADORAM

Porque ontem fui dormir com meus anjos
e hoje acordei no colo de Kafka,
ao menos por hoje,
não se haverá de mirar
os olhos opacos da impaciência.
E o dia fluirá sem sonolência,
como as águas de um rio
a caminho do mar,
brincando de esconde-esconde com peixes,
que passam, em cardumes,
fazendo-lhe cócegas na barriga;
os peixes saltam, o rio ri,
as águas pulam nas pedras,
as margens ficam excitadas.
O rio é contagiante,
gosta mesmo é de brincar,
brincaria com as borboletas
se elas soubessem nadar mas,
elas ainda não aprenderam,
se precisaria ensinar primeiro às flores.
Mas elas não desgrudam do chão,
a menos que eu as colha com as mãos.
Não.
Hoje não colherei flores,
Hoje colocarei um altar ao pé de cada uma delas.
Vou passar o dia assim,
de altar em altar,
a Te adorar
dentro de mim.

Smírama
by Carmen Regina

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O calor das tuas mãos






Por meus olhos


Um único lance do teu olhar
e meus olhos ficaram colados em tuas pupilas
úmidas, amorosas e febris.



Vi quando a faísca saltou pelas janelas
e a atravessou meu peito como um raio
em noite de tempestade.



Chove granizo.
Uma faísca do teu olhar derreteu meu coração.
De pedra pura.



Sou rocha líquida, teu olhar vai me tornar
em riacho de amor.
Súbita alegria me invade...



Por meus olhos, estou feliz,
- que dirá meu coração?...
Ah, o toque macio da tua mão...um só...



Carmen Regina

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Beija flor



O PRIMEIRO BEIJA FLOR


Uma só gota do Teu perfume e, por meus olhos se pôde ver
o primeiro beija flor no quintal.
Veio colocar seu delicado bico na primavera rosa choque,
en ton tecer as flores com sua dança, dar o ar de sua graça,
veio avisar:
- cheguei para vos beijar.


Há dias rondava,
virava e mexia se ouvia o seu cantar,
pri pri pri pri pri ...mas não se o via.
Agora que os astros se puseram em conjunção, sol e lua na
morando na casa da lunação, eis que ele aparece
súbito e furta cor.
Beija flor tem algo a dizer, ao que parece,
- cheguei para ficar.


As flores, por meus olhos, estão felizes,
que dirá meu coração!
Ah!... um único lance do Teu olhar...


Carmen Regina

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

De Manoel da |Rosalinda...para a poesia do E terno


O poeta
e a poesia do poeta,
e o poeta que cria,
julga ele, a poesia,
como se a inventasse,
como se nunca existisse,
fosse novidade,
sendo de verdade o poeta
a poesia,
e a poesia
o poeta,
e ambos já têm idade
e sabedoria,
e poesia.

jmj
Poeta na alma...

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

RE VI VER



As flores definhando, as folhas secando, as raízes enrijecendo,
- o jardim precisa ser transplantado.

Os deuses, sempre benevolentes:
- o jardineiro não guardou o domingo e deu o ar de sua graça.

Veio com ele a sua amada, moça sorridente, cabelos de anjo,
olhos azuis, corpo avantajado.

O verde do chão e até o mato suplicavam por seus cuidados.
As horas voavam, quintal e angústia igualavam-se na imensidão.

Ao fim, pelas mãos da poesia, o jardim ganhou seu lugar ao chão,
Agora é irrigar e esperar...

As flores, em suas covas, renascerão, logo estarão viçosas,
virão as borboletas, os beija flores, as fadas do amanhecer.

Suspiro por seus aromas ao anoitecer...
Que dirá meu coração...uma só gota do teu perfume ...

Carmen Regina