segunda-feira, 11 de julho de 2016

O POÇO



O POÇO

A vós, que me cingistes com a insígnia de poeta,
digo com clara e nítida voz:
- Sou um poço.

Poetas sois vós, que cavais ao meu redor.
De mim, apenas a promessa do veio cristalino.
Que ainda jorra manso, goteja, a bem dizer.

Poetas sois vós,
espíritos cavadores de profundezas,
amigos da alma, joalheiros do céu.

De mim, a promessa do poço,
tratado, limpo e cuidado,
onde se poderá saciar a sede de futuras gerações.

A vós, que cavais com tal bondade esta cisterna
e revestis com o vosso mel minhas paredes internas,
dedico os poemas da posteridade. 

Carmen Regina*


quinta-feira, 7 de julho de 2016

AMADO MESTRE




Amado Mestre

Abre-se este dia ao sabor da Tua Poesia.
Afasto as cortinas o tempo e contemplo
a nudez dos Teus versos.
Alongo os braços e toco 
as vestes  deste poema tão Vosso.


Todavia, apenas relo, apenas o apalpo
como pássaro tocando nuvem,
colibri beijando aura de flor.

Abro este dia com Vossas ternas palavras.
Filha do fogo, do éter e da ternura transbordo,
águas salgadas cercando a ilha de mel
onde nasce o riacho mínimo que sou.

Sintam-se Vossos pés beijados

pelo poema criança, 
que se levanta no jardim da infância 
para ouvir o e terno som da Tua flauta
sob as macieiras do Éden.

Carmen Regina*




sexta-feira, 1 de julho de 2016

POEMA FORTE



Um poema forte,
preciso,
como o vento 
que açoita as magnólias,
e levanta a minha alma
para ver 
a lança 
que atravessa a noite,
rasga o peito do poeta, 
tornando-o 
uma caixa de jóias 
de onde a Poesia retira
delicadamente 
um verso de esperança 
para o amigo da alma.


*Carmen Regina