terça-feira, 14 de abril de 2015

De outras vidas não falo...




















                                                                                                                                                                                     foto by Manolis Spanakis site photo.net 



De outras vidas não falo.
Falo desta, que me escapa pelos vãos dos dedos,
pelos cantos dos olhos, pelas janelas da mente.

(falaria, na verdade...
 as palavras me fogem quando penso no que fora, 
quanto toco no que é)

No breve instante em que me proponho ao relato
descortinam-se as reminiscências,
o coração dispara, qual flecha, em Tua direção.
E eu me prostro no chão.

É a hora do conflito. O eu menina quer agradar-Te
com meus potinhos de acertos,
O eu adulto se acanha frente à montanha dos erros.

Não sei o que dizer-Te.
Sabes tudo de mim, sabes até o que nem eu imagino.
Penso que, se dissesses, eu me aniquilaria,
eu me dissolveria à medida em que fosses abrindo
cada uma das minhas portas cerradas.

No entanto, Tu te sentas no trono do meu peito 
e esperas por minhas revelações.
- O que hei de confidenciar-Te?

Não posso dormir sem ao menos dizer 
o que me digo a toda hora, e que, agora, é importante 
demais confessar: 
- Eu confio em Teu amor.

Carmen Regina*

3 comentários:

Princesa do Mar disse...

Adorei! Uma escrita cheia de sentidos!
Beijinho

Sergio Bittencourt disse...

"De outras vidas não falo.
Falo desta, que me escapa pelos vãos dos dedos,
pelos cantos dos olhos, pelas janelas da mente..."

E enquanto o tempo passa tal nau você aparece e foge, no entanto, o vento frio me abraça.

Carmen Regina Dias disse...

Lendo novamente suas palavras.... Meu coração fica cheio de alegria Grata amigo por esse mimo. <3