sábado, 8 de novembro de 2008

chove...


Rajada de brisa...
as folhas dissolvendo-se a teus pés...
Eu me derreteria ...
Dançarias comigo?...
Sinto o gosto das estrelas
o sabor de vento...
Por que teus dedos me tocam tão macio...?
O ar embriaga-se de ti...
O fogo consome uma a uma todas as pétalas...
Janelas não se abrem mais...
Os relógios pararam...
Os trens já não levam a lugar algum,
explodem lá fora...
Mas eu tenho uma estação inteira
Pa ra levar-te onde quero chegar...
Ah... essa brisa que me adormece ...
Melodia que me enternece...
sopro de éter que vem
deita-se sobre mim
e me faz sonhar...



carmen

2 comentários:

Vera Lucia Bezerra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sergio Bittencourt disse...

Quem não se derreteria, quem não dançaria contigo nesta combinação de imagem e verso?
Começou a chover poesia.
Será que desta música virão raios?
Vou me amparar nessas suas palavras
E visualisar pétalas rolando como cachoeiras...
Sentindo o cheiro da presença da poetiza
Adornada de cores e ilusões
Sombreada na copa da árvore
Donde fluem os mais lindos frutos...