quarta-feira, 18 de agosto de 2010

fico...



Ficaria mais

se você deixasse
se você quisesse
se você chamasse
e

se você viesse
e me abraçasse
e me beijasse
e

adivinhasse
meus desejos
e
me amasse



Carmen Regina

8 comentários:

Fredy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fredy disse...

"SE EU FOSSE UM ANJO CAIRIA ONDE VC FOR.
MAS COMO SOU HUMANO SO LHE DOU O MEU AMOR."

Fredy disse...

Como gostaria de "ficar mais"ou pelomenos ficar.
Almejar.
Poder desfrutar.
Aquilo que palavras não podem denominar.
Que o ego não pode expressar.
Que apenas gestos podem mostrar.
Atos como beijar.
Abraçar.
Se acarariciar.
Um contato corpo a corpo como não há.

ÁH ÁH ÁH

Me desperta a arte de poetizar.
Dialogar.
Improvisar.

Palavras que não para de rimar.
Que vem como meu respirar.
E vão como a brisa do ar.
Infitas como o mar.
Ilimitadas dentro deste conceito de amar.
Que poderia me proporcionar.
Rimar até amanhã.
POR VOCÊ MINHA DIVAN.


IMPROVISO.

Fredy disse...

TEM MAS ALGUMAS NOVIDADES LÁ TB.
ESPERO QUE GOSTE DO IMPOVISO.

Fredy letras

Adilson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Oswaldo Antônio Begiato disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Oswaldo Antônio Begiato disse...

Bom dia Carmen,

Muito, mas muito obrigado mesmo pelo passeio que fizeste pelas minhas pequeninas poesias.
Muito, mas muito obrigado mesmo pela generosidade que deixaste lá gravada nos seus comentários.
Mas, mais obrigado ainda por me atrair a esse teu blog, que de tanta beleza e feminilidade me encantou sobremaneira. Sua poesia é leve e profunda.
É poesia fêmea.
Parabéns.
bjos.w

Carmen Regina Dias disse...

Poeta, muito obrigada por suas palavras à poesia que me é.
Poesia fêmea, de palavras claras ao poeta na alma,
e tão somente ao que o é na alma,
pois outros não as compreendem
veem, quem sabe, enigmas, quando são apenas metáforas
simples, expressando sentires e pensares de uma alma singela,
como o dente de leão que cresce sem saber como nem porque,
e que dá flor, e dá sementes, e se propaga,
e é alimento e cura para passarinhos e gentes;
como os pequeninos lírios dos campos, simples em sua
brancura, mas que se tu te pões a olhar longamente sua alva pele
e seus contornos delicados, seu aroma sutil, acabas por perceber o mistério do mundo.

Agradeço imensamente por deixar teus olhos me lerem
por si mesmos.