domingo, 15 de novembro de 2009


Tela Communion, by Robert Hardgrave, captada em um dos melhores blogs que tive a honra
de visitar: En El Camino...

ABISMAL


Penso.
E a rua fica comprida,
o horizonte, distante.

Penso,
E o abismo vai se criando
Enquanto ando.

Penso.
E na névoa, há dores,
Fora dela, as cores.

Penso.
E o pintor se atira
Ao abismo dos pincéis.

Não penso.
E o pensar me esquece
Pra que o poema se expresse

Entrego-me.
E a tela em branco, abismo profundo,
Traz-me de volta ao meu mundo.


Carmen Regina, by Smírama

2 comentários:

Manuel da Rosalina disse...

Do abismo se (re)cria...
E das profundezas da alma nasce o mundo
e cresce o Sol.

Belíssimas palavras, poeta!

Bom fim-de-semana!

bjs,

jj

Sergio Bittencourt disse...

Abismado, penso, penso... já nem penso, entrego-me à poesia.