quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Abismo



*A flor

ardente, labareda viva
o fogo se propaga 
impiedosamente

A noite cai
generosa e obscura
sobre as palavras

Teu peito nu
é o papel perfeito
para as mãos do poeta

Acendo a vela
coloco na boca do vulcão
E o poema vai se criando

Apaixonado
Como me atrai essa flor
esse perfume na boca do abismo...


Carmen Regina
 imagem do google

2 comentários:

Vinicius Pereira disse...

Ardente labareda
Leda, Leda, arde
Como a bala do tiro tangente
Como tirar a casca solta da árvore
Ardente labareda
Leda, Leda, arde
Um sorriso enxuto sem medo
Um grito ardente entrega o segredo
Um alarde!

Cris Corso disse...

Olá obrigada pelo comentário no meu blog ^^ amei..

nossa seus texts tbm são profundos amei esse... mto significativo..
Parabéns..

bjos