terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

jardim...



O jardim
(me)
(em)
Chama
s?.

Delírio deve ser beijar a flor,
êxtase do beijaflor,
o canteiro inteiro arde
e nem é meio da tarde.

Tão cedo,
e o sol já queima assim, cortante.
Rasga meu peito
de fora a fora

Como esse amor
que chegou
ficou
não vai  mais embora.

Semen
tes
 irrompem 
de dentro de mim.

Uma rosa, quase nada,
e já estou encantada,
roseiral em flor,
dia todo perrfumada...


Carmen Regina

2 comentários:

José Heitor Santiago disse...

Um jardim de universalidade e de beleza; onde só os deuses deveriam entrar!
Ouço as rosas e ainda as respiro!

Que sejam as palavras poema
Sementes lançadas
aos cantos do mundo
e celebradas com amor, ao Amor!

Abraços poema,

jhs

Damáris disse...

Que sutilidade estonteante nos teu versos...sempre...sempre lindos!!!

Amiga, beijo grande

Tua fã

Damáris