sábado, 2 de maio de 2009

Ao Poeta do Sol




Impermanência


Poeta, olha pra mim!
Estás vendo um poeta aqui? Nem eu!
Passei a madrugada a procurá-lo na terra do sem fim,
Nem sinal!

Por onde andaria esse filho de Netuno?
Vede: minhas mãos estão cheias de poesia mas,
Sem o olhar do poeta a paixão esfria,
Fica incompleta a poesia.


Eu vos convoco, dos quatro cantos do uni versus,
Vinde, ó amigos da alma!
Juntos, o haveremos de encontrar,
Olhai, olhai, olhai...

Que nada fique sem vistoria
Pétala de flor, relva, sombra ou raio de sol,
Das pedras do chão, cuidai,
Com elas, são horas a filosofar...

Levantai vossos olhos aos telhados e arranha-céus,
Fazei pente fino nos outeiros,
Grão a grão buscai entre as areias à beira mar,
Nos ninhos de passarinhos, em toda brisa que passar.

Olhai os lírios dos campos, as crianças, os animais,
Nas asas dos beija flores, índios, mendigos,
Ancião, catadores de papel e, se a noite chegar,
Olhai para o céu, sondai as estrelas, detei-vos ao luar,

E então, fechai os vossos olhos ... Silenciai.
Ah!... Que cesse todo movimento!
Vai falar a voz do coração nesse momento.
E o que ela nos diz? – “Ouça-me...”



Carmen



6 comentários:

Sergio Bittencourt disse...

Ás vezes procuro o poeta dentro de mim e nem sinal. Hoje achei o músico.

Lembro-me que vc me pediu os links para ouvir as composições. Eis aí:


Neles vc pode, finalmente, ouvir algumas de minhas músicas, e comentar, querendo.
http://www.myspace.com/sergiobittencourt
http://kasnew.multiply.com
http://arypecanha.multiply.com/

Sergio Bittencourt disse...

Quanto à esta grandiosa obra sua, fiquei estasiado com a estrofe inicial e sua combinação com a final.

É... é tempo de ouvir a voz do coração.

José Heitor Santiago disse...

Belíssimo este seu hino à poesia; poesia!
Os poetas estão aqui e estarão sempre por perto, ouvindo o que a mãe da grande casa escreve e/ou diz.

Abraços poema,

Jhs
(No dia do baptismo)

Lisete de Silvio disse...

Tão doce e etérea como você.

Beijos

Felipe Lacerda Bicalho disse...

Todos merecem ouvir esse chamado, seno ou não poetas. A beleza disso é merecedora de braços carinhosos e abertos.
E fico feliz em ser
fico feliz em estar
fico feliz em ler.

Obrigado por estar ai.

Zé Américo disse...

Olhai os lírios do campo e as aves do ceu...olhai também a sensibilidade saltando da poesia, da minha musapoeta.
Meu coração tem o jeito próprio de escutar sua música. Acho que está dependente...
Abraços, querida amiga.