quinta-feira, 5 de março de 2009

o velho poeta...

Imagem site olhares aeiou.com



Mara vilha !
Só Poesia te completa.

O novo cintila em meio aos escombros,
e resplandece sutilmente nas corbélias de flores
das exéquias do velho poeta.

Uma fulgência feita de pequeninos lúmens circundam
o feto do poeta novo.
A barriga cresce, os seios aumentam,

Em breve o leite vai jorrar
inundando os espaços em branco
de pura poesia.



carmen





4 comentários:

José Heitor Santiago disse...

Belíssimo!

O velho ego (re)morre, para que nasça o Sol em abundância,
liberto de todas as sombras e pesadelos
para que se cumpra poesia!

Só as palavras
dão sentido à vida
e o aconchego da mãe universo!

Abraços poema,

JHS

Sergio Bittencourt disse...

Minha poetiza brasileira preferida!
Cada vez mais alma...
Tudo é lindo
A caneta brilha
O espírito recende
Ela passeia com elegância
Sólida e confiante.
Só mesmo Carmen
Pra abrilhantar nossos dias.

José Heitor Santiago disse...

Bela colagem!
Poesia; morte e vida!

Gostei muitíssimo!


Ainda não encontrei posição para (re)morrer,mas o que está escondido nas profundezas de mim,
se manifestará e serei capaz de (sobre)viver e pôr-me ao caminho.

Serei?!


Hades do meu inferno!
Ardo!


bjs,



jhs

Dolores Quintão Jardim disse...

"o velho poeta"

Que renasce a cada palavra escrita!

Lindoooooooo...´

Parabéns.