sábado, 21 de março de 2009

Verso...


Verso novo

.
Liga não...
Sou um humano gozado,
Entende nada, coitado,
Coração, sempre na mão,

Nem percebe a imensidão

Do sentimento guardado,

E o poema, tão delicado,

É levado de roldão.

Liga não...


Olha pra mim .
Aceita esse verso novo
-
Fala a linguagem do povo,
Uma flor que há tempos não vinha,

E vem sem ervas daninhas,

Não desenha abismo no céu,
Ao contrário, escorre mel,

É o céu no papel.


Olha só, ...esse sim...
Vês?...
A tela fica ensolarada

A alma fica calada.

Palavras flutuam no espaço sem fim.

Mas cada letra da paisagem

Traz oculta tua imagem,

Que só revelas para mim.

Então vejo.

Vês?



carmen

2 comentários:

Dolores Quintão Jardim disse...

Como não ver?
como não sentir?


Que belo. que lindo...Parabéns!

Sergio Bittencourt disse...

Ando cabisbaixo por horas
saltitante noutras
Mas o poeta que vive aqui dentro
Não oscila, nem titubeia
"A tela fica ensolarada
A alma fica calada.
Palavras flutuam no espaço sem fim."