quarta-feira, 25 de junho de 2008

desmancho-me ....



Vi, senti,
virou
Poesia.

Atenta a tento,
ela vem,
desmancho-me...
Versos doces,
 rima sutil...

Poeta servil.


Poeta quer o ser.
Mas sou deserto,
sertão. ..
Ser tão servil...
A tento, e ela vem...

Desmancho-me em palavras...
Água viva
 inda molha esse ser tão...

Carmen Regina Dias

imagem: Google.

4 comentários:

Lalactah disse...

Nossa, o poema simplesmente dispensa qualquer comentário (esse é meramente ilustrativo) hehe. Adoro esse modo de jogo de palavras, ficou simplesmente perfeito. To adorando passear por aqui Carmen...beijo!

Ju disse...

Carmen querida, ja te admiro a muito! E, na ausencia de talento deixo somente meu carinho. Beijos.

Ju

Sônia C. Prazeres disse...

Abençoada servidão a do poeta entregue, iluminado de cores e letras que traduzem...o que não se traduz.

Sergio Bittencourt disse...

"Desmancho-me em palavras...
água viva inda molha esse ser"

Agora, vc minha amiga, se derramou toda nas tintas da pena que só um coração como o seu segura.