segunda-feira, 12 de maio de 2008

O trem...


Um dia, me lembro bem,
era à tardinha,
eu estava sentada embaixo
de um pé de jaca,
na chácara da minha vó,
sozinha, na boa,
vendo o trem passar...

piuí, piuí, piuí...chic chac chic chac...

Ao redor,
Vesúvios de fumaça
que ele lançava no ar
faceiro, feliz,
sem dó!
Eu fechava os olhos,
o paraíso se descortinava
e eu entrava.

Tudo de bom tinha lá,
na chácara da minha vó,
castelos, reis, rainhas,
princesas, tesouros,
chocolates quentes,
montanhas impermanentes,
riachos, cascatas,
tapetes voadores, camelos,
mágicos horizontes...

Viver era passar dias inteiros
na terra do sonhar,
a chácara da vovó.
Eita vidão!
nenhum trololó,
nenhum chato de plantão...


Carmen Regina Dias

6 comentários:

Carmen Regina Dias disse...

bons tempos...

Winddsor disse...

Jóia!

Anônimo disse...

Jóia!!!

Prof. Adriano Marques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Prof. Adriano Marques disse...

Voce fala tanto a minha alma, Lady Carmen. Lembrei de uma região árida, quente e seca de onde todos os meus 12.. 13..14 tios (as) saíram para ganhar a vida e deixaram, não sem preocupação, a minha Vó de 96 anos lá, caçula de uma terra de anciãos... Lá onde o dia é infinito de tão longo, o movimento diúrno custa a acontecer e onde o celular nem pensa em tocar... é lá que me escondia aos finais de ano e feriados na infância/adolescência, cada dia mais escassos da minha vidinha... lá eu vejo tanta beleza (queria que pudesses ver); lá eu me tranquilizava a ponto de desligar; lá o forró é regado a pinga e pés arrastados ao ritmo do triângulo e seus parceiros... Êh poeirão da gota serena... Lá os tios saíram pra ganhar a vida e alguns já estão na CIA de Deus e minha Vozinha tá lá vencendo ao tempo, quase centenária vendo o melhor pôr/nascer do sol que existe no mundo. É mágico, pelo menos aos meus olhos de outrora, pois os olhos de hoje, urbanóides, não estão sendo usados, talvez por isso tenha medo de voltar lá e ter a certeza da debilidade dos meus olhos de adulto! Lá o tempo é tão vagaroso e a paisagem é um sonho de criança. Beijos. Senti saudades! Ah.. e minha avó é infinita! rs.. Obrigado pela linda lembrança que sua poesia me despertou!!

Carmen Regina Dias disse...

Adriano: Primeiramente, te agradeço, ah, como agradeço, Professor Querido!
Por deixar minha alma tocar a tua. Essa deve ser a delícia do poeta,
tocar outra alma.
Por se deixar conduzir pelas linhas do tempo da àquela terra onde o dia é infinito, de tão longo...
Sou agradecida por me levar contigo àqueles dias escassos de tua vidinha, de tanta beleza... Ah, como te agradeço por deixar-me ver e adentrar esse mundo, essa cultura desde sempre tão admirado pela minha imaginação, pois que nada nesse mundo de meu deus se compara ao forró. Ê poeirão da gota serena...
Eita vó! Quisera tê-la pra mim, a minha se foi tão cedo... Parabéns, Vozinha, por essa vida farta de bênçãos, pois a bênção maior é estar vivo e receber os parentes, filhos, netos, bisnetos, amigos que, quando chegam trazem consigo a certeza de que isso é que é viver, está valendo a pena e o delírio.
Obrigada, poetamigo, por me levar consigo em sua viagem para onde o tempo é tão vagaroso e a paisagem é o teu sonho de criança.
Estou emocionada, relendo suas palavras, relatos de uma alma sensível e amorosa .
Suas palavras honram o poeta. #Gratidão.