sábado, 31 de maio de 2008

Tomara



Tomara não demore a chegar
a hora de contemplar verdadeiramente
como em um cristal transparente
minha imagem refletida em teu olhar.

Tomara não me encantem teus encantos,
não mais do que já vivo encantada,
Tomara tua leveza me contagie e alivie
o cansaço da caminhada.

Que a beleza da alma, dardo certeiro,
atinja o centro da página,
meu peito de poeta

E que no meio do braseiro
eu possa cantar por inteiro
a tua música predileta.

Carmen

2 comentários:

joão m. jacinto & poemas disse...

Parabéns, Carmen, pelo seu belo Blog!
Aqui no reino da poesia, só vós podeis ser rainha!
Eu porém, curvo-me, prestando vassalagem, como leal escudeiro da palavra e desejo-lhe poemas de felicidade!


Abraços,

joão jacinto

Lalactah disse...

Foi o destino.
Só pode, sempre ousado..
Que te colocou no
meu caminho,
que não caminho mais rápido,
só pra poder admirar tudo aqui!